Preparar a pele é essencial

Confirma-se: o cuidado da pele rosto é imprescindível. "Quanto mais bem hidratada e tonificada melhor. Acho essencial utilizar um esfoliante e máscara de tratamento duas vezes por semana", explica Naná Benjamim, maquilhadora e eyebrow designer, que também ressalva a importância de "nunca dormir com maquilhagem, porque é durante o sono que a nossa pele se regenera". "Limpar e hidratar antes de se deitar é essencial", remata.

Também a maquilhadora Maria Casanova defende que "uma pele perfeita só se atinge com boa preparação". "É muito importante começar com uma pele limpa, fresca e hidratada para depois a pele receber a base. Tem de estar com a textura certa para a base espalhar bem e se fundir com a própria pele". Idealmente, sugere, "até se deve preparar a pele e aguardar uns minutos antes de aplicar a base."

To primer or not to primer

Uma questão que nos atormeta: devemos usar ou não um primário? A dúvida é justificada já que não há propriamente um consenso. Para Naná é um valente "sim", porque "vai dar mais durabilidade à makeup e também, dependendo do tipo de primer que se escolher, teremos imediatamente maior uniformização e luminosidade na pele, evitando a necessidade de usar imensa quantidade de base. A pele fica quase perfeita".

Maria, por outro lado, tende a dispensar o produto: "nunca fui muito de usar primers, a não ser quando trabalho com peles muito oleosas e então uso um primer antes da base para conter a oleosidade da pele para a base aguentar várias horas sem ter que retocar."

Pincéis de maquilhagem: os básicos por onde deve começar
Pincéis de maquilhagem: os básicos por onde deve começar
Ver artigo

Como aplicar - e com o quê

Daqui depreendemos que não há regras, é experimentar e comparar os resultados. Para Naná Benjamim, a aplicação "pode ser com pincel ou com os dedos, mas em ambas temos que "tapetear" com os dedos, para que o efeito seja mais natural e para uma maior durabilidade. Nas duas técnicas temos que ter muita atenção à quantidade de produto que se leva no dedo ou no pincel para que a base fique transparente depois de aplicada. Isto é, temos que ver a textura da pele depois de aplicada a base. Efeito máscara está fora de Moda!"

Já a maquilhadora Maria Casanova revela ser #TeamEsponja: "gosto muito de aplicar a base com uma esponja. Acho que dá um ar mais natural à pele, carrega menos produto deixando a pele transparecer, só depois faço as correcções necessárias à pele. Adoro as esponjas da Beauty Blender!"

Aplicar do centro para fora

Quando olhamos para tutoriais no Youtube, ou somos maquilhadas por um profissional, há uma dança electrizante de quem parece saber o que está a fazer. Mas não é uma dança ao acaso, há um movimento em mente. "Eu prefiro começar pela zona T, iniciar na testa seguido do nariz para a face e finalizar no queixo. Sempre do centro para os lados para um resultado homogéneo e perfeito", explica Naná. Também Maria começa a aplicar do centro do rosto "que é onde normalmente temos mais imperfeições", e vai "esbatendo até cobrir o resto da cara e também pescoço, já com menos produto".

Cada pele pede uma fórmula

Até podemos ter lido reviews espectaculares sobre a base daquela marca über cool, mas ela pode não ser a ideal para o nosso tipo de pele. De acordo com Maria, "alguém com pele seca pode optar por uma base mais fluída e com pouca cobertura e com um acabamento luminoso". Já as peles oleosas devem encontrar "uma base mais cremosa e com acabamento mate".

Sendo que, se o que procura é o look natural, o ideal é mesmo apostar nas texturas fluídas. "É Moda a tez perfeita e hiper natural, o chamado no makeup. A base tem que estar super bem aplicada e fundida na pele. Resultado? Parece que não temos maquilhagem. Para isso, temos que escolher texturas bem fluídas e finas e alicar muito pouca quantidade", avisa Naná.

Como escolher o corrector certo: uma maquilhadora explica
Como escolher o corrector certo: uma maquilhadora explica
Ver artigo

Base não é corrector - é para o rosto todo

O título já é spoiler. "Sim, se aplicar base terá de de aplicar por todo o rosto. No caso de usar apenas um corrector é que se aplica apenas nas zonas em que é necessário", responde Naná Benjamim, corroborada por Maria Casanova, que admite que em "99% dos casos" põe base no rosto todo, para criar "uma tela homogénea para aplicar o resto da maquilhagem". O 1% que falta? É para "quando trabalho com um rosto, por exemplo, com muitas sardas e aí uso só onde precisa ou maior parte faço só correcção da pele com o concealer. Em peles muito bronzeadas também opto por pôr o mínimo de base", confessa.

Como saber a quantidade certa de produto

As maquilhadoras unem-se na opinião de que menos é mais. "Na minha opinião, quanto menos melhor. A base é para uniformizar o tom de pele, depois fazemos uma mistura da base com o corrector e anulamos as olheiras e todas as imperfeições. Assim consegue-se um resultado super natural e uma tez luminosa", diz Naná.

Maria também sugere partir com o mínimo: "acho que a melhor forma de saber a quantidade certa de base é começar com o mínimo possível de produto. [Deve-se] aplicar a primeira camada bastante fina e bem esbatida e depois ver se há zonas específicas no rosto onde se requer mais cobertura".

O excesso de base pode envelhecer

Atenção, mulheres com peles maduras: "No caso de mulheres mais velhas, se aplicarem muita quantidade de base vão evidenciar mais a rugas. E quer em peles jovens ou maduras, o excesso de base envelhece", atenta Naná Benjamim.

Cuidado com o tom

Sem surpresas, o tom continua a ser uma preocupação (#RealStrugle). Como se descobre, afinal, o tom certo de base? Naná acredita que se "deve escolher a cor na zona do decote para uniformizar todo o corpo, já que o nosso rosto e o pescoço são sempre mais claros. Ao aplicar a base em pouca quantidade, como se fosse um véu transparente, vai dar o tom certo sem carregar".

Na sua rede favorita

Siga a Miranda no Instagram. Partilhe as suas fotos de Beleza com #SomosTodosMiranda