Naomi Campbell está hoje de parabéns. A supermodelo britânica e beauty icon entra oficialmente na casa dos 50. Conhecemo-la desde os 15 anos, altura em que foi descoberta quando aprendia dança clássica no Covent Garden, em Londres. De traços africanos e com uma mistura de vibes jamaicanas e chinesas, Naomi Campbell já desfilou para vários e inúmeros designers: Versace, Dolce & Gabbana, Yves Saint Laurent, entre outros. Em 1988, estreou-se na capa da Vogue francesa e da revista Time, tornando-se na primeira mulher negra ao fazê-lo. Dos desfiles de moda aos editoriais, o caminho tem sido brilhante. Também as campanhas publicitárias não fogem à regra. Naomi Campbell já protagonizou campanhas da Guess, Prada, Givenchy e, mais recentemente, da marca de cosméticos NARS. É que até o calendário Pirelli, em 1995, e o videoclipe “Freedom! ‘90” do cantor George Michael tiveram a modelo como personagem principal. 

Naomi Campbell é um nome incontornável da indústria e uma das poucas modelos dos anos 90 que ainda continua a pisar a passarela das semanas de moda de Paris, Londres, Nova Iorque e Milão. Com Linda Evangelista, Cindy Crawford, Claudia Schiffer, Christy Turlington, popularizou o nome de supermodelo e abriu caminho à profissão, que até então estava confinada o rótulo de superfluidade. As supermodelos tornaram-se em ícones. Por onde quer que passavam, eram fotografadas e nunca passavam despercebidas da mira dos paparazzis. Afinal, reuniam os três ingredientes mais desejados: beleza, carisma e sex appeal. 

Na vida pessoal, Naomi Campbell já esteve envolvida em vários escândalos. É o que chamamos de #savagegal ou #dramaqueen. Das detenções às agressões, a modelo é conhecida pelo seu temperamento explosivo e personalidade 'dura de roer'. Mas Naomi Campbell não é só uma modelo rebelde, ela é também uma modelo atenta às causas sociais. Para além de ser criadora e fundadora da organização Fashion For Relief, que tem como objetivo apoiar monetariamente causas ambientais e humanitárias, mantém uma estreita ligação com a Cruz Vermelha e a UNESCO, em especial nas ações em países pobres, tendo já ajudado na construção de jardins de infância em África. 

Orgulhosa das suas raízes e determinada em impulsionar a mudança, a supermodelo encorajou a indústria da moda a aceitar modelos de cor. De olhos castanhos, lábios carnudos e maçãs do rosto esculpidas, Naomi Campbell alia a moda à Beleza. Ao longo da sua carreira, que completou, recentemente, 35 anos, é um statement quando o assunto é cabelo. Curto ou comprido, com ou sem franja, liso ou encaracolado, com tranças africanas ou afro redondo, não há receio em apostar em novos cortes e penteados. Com traços faciais marcados, devido em grande parte, às suas já mencionadas maçãs do rosto, o iluminador é, portanto, um essencial na maquilhagem de Naomi Campbell. Também os lábios hidratados e com uma suave cor são um must. Já a base requer alguns cuidados. No seu canal de Youtube, a modelo admitiu não gostar de a ver com aspeto de máscara. “Eu não uso base na testa porque gosto de parecer que não tenho nada na pele”, revela. Também no canal de Youtube, Naomi Campbell deu a conhecer alguns dos seus do’s and dont’s relacionados com os cuidados de pele. “Todas as noites tiro a maquilhagem, limpando e esfoliando. Para mim, a hidratação é o mais importante. Gosto de ver uma pele brilhante."

No dia em que comemora 50 anos de vida, recordamos os melhores momentos de Beleza da supermodelo que é uma inspiração para todas nós. 

Na sua rede favorita

Siga a Miranda no Instagram. Partilhe as suas fotos de Beleza com #SomosTodosMiranda