Porque a nossa história nunca é só uma história. Porque o que nos toca toca-nos a todos. Porque precisamos de celebrar as diferenças, tanto quanto o que nos une. E porque partilhamos todos a mesma camada de mundo, a Miranda criou as  #MirandaSkinStories, uma série de partilhas que começam no nosso bem comum: a nossa pele.

Hoje, no Dia Mundial da consciencialização para o Vitiligo, é a vez de Ana Couto, 31 anos, nos contar o que sente na pele.

"Sou a Ana, 31 anos e com vitiligo desde os 6 anos. Sou da terra do melhor Carnaval de Portugal, Torres Vedras. Formada em Radiologia.

Quando o vitiligo apareceu, aos 6 anos, foi o pânico na família. O primeiro pensamento foi: 'A minha filha vai ficar toda branca ou cheia de manchas'. Começaram as visitas a médicos dermatologistas e, de seguida, deparámo-nos com a pouca informação sobre a doença, a pouca resolução e a pouca esperança de cura. Alguns medicamentos foram prescritos, mas todos sem efeito. Na altura, havia pouco uso de medicina alternativa, mas o Reiki foi uma das opções dos meus pais. Mais uma vez, sem efeito. Único tratamento: aceitar.

As dúvidas e os receios passavam todos pelo mesmo: ficar coberta de manchas ou toda branca, sofrer de preconceito e discriminação na escola. Mas fomos todos aprendendo a introduzir a doença na família e no círculo de amigos e, principalmente, em nós.

Hoje, falando dessa introdução parece que foi simples. Mas não! Quando tudo estava mais estável, chegaram os exames nacionais e a entrada para a faculdade. Foi um pico de emoções para mim e também para o vitiligo, que se desenvolveu a grande velocidade. Chegou à cara! Pânico! Novamente, visita a médicos, agora com um pouco de mais informação e mais opções de tratamento. Fiz fototerapia e levei todo o pensamento positivo comigo. Sim, regrediu, mas passado pouco tempo voltaou a crescer.

Com o crescimento das redes sociais, surgiu uma página no Facebook Vitiligo em Portugal, onde conheci um creme chamado vitiflora. Até hoje, é o único que utilizo e que vejo resultados na cara. Mas não cura, as manchas voltam e eu reforço!

Deparo-me com muitos preconceitos, mitos, dúvidas e desconhecimento. Se dói, se é contagioso, se está sempre a crescer. Um dia passei por uma situação — uma mãe e a filha a conversarem, a olharem para mim e a proferirem os seguintes comentários: 'Já existem muitos produtos para tapar, não é preciso andar assim, é a doença do Michael Jackson...' Mantive-me calada a ouvir tudo. Mas, aqui dentro, magoou.

Winnie Harlow faz história na revista Sports Illustrated
Winnie Harlow faz história na revista Sports Illustrated
Ver artigo

Hoje tenho a certeza de que não preciso de esconder nada! O vitiligo faz parte do que sou, da minha personalidade, da minha essência. Não era eu, sem manchas. A aceitação não é imediata, dói, ficamos tristes. Cada um tem o seu tempo. Mas chegamos lá e é tão bom aceitarmos! A página de Instagram Vitiligo to Go surgiu para me ajudar a passar essa mensagem e mostrar ao mundo que o vitiligo faz parte de nós e que podemos levá-lo para todo o lado sem medo nem preconceito. Amem as vossas manchinhas, sei que é um cliché, mas é com amor que se tranquilizam!"

Dia mundial do vitiligo

Créditos:
Sara Rodrigues
Maquilhagem & Fotografia

Madalena Pacheco
Criação de Logótipo

Inclua este passo no seu ritual de Beleza!

Subscreva a newsletter da Miranda by SAPO.

Seja a primeira a receber as melhores dicas de Beleza

Ative as notificações da Miranda.

Enquanto o verniz das unhas seca…

Siga a Miranda by SAPO no instagram. Use a #SomosTodosMiranda nas suas publicações.