Sei o que estão a pensar: a última coisa que querem é mais uma app a chatear-vos com notificações no telemóvel. Mas e se essa aplicação for uma ajuda, em vez de criar ainda mais ruído na nossa confusão mental? "Ah, mas ter uma app de self-care num dispositivo que nos suga tanta energia quanto o telemóvel não é contraproducente?" Bom, sim e não. Sim, deveríamos passar menos tempo de cabeça inclinada sob o nosso iPhone, desligá-lo algumas horas antes de ir para a cama e estabelecer menos comparações com as fotografias de vidas perfeitas que nos aparecem no nosso feed de Instagram. Mas... acha mesmo realista pensar que se vai livrar tão facilmente do telemóvel? Pois. E já que esse "pois" pode estar associado a "não largo o telemóvel nunca ao longo do dia" então talvez esse seja o lugar ideal para ajudar a colocar o seu auto-cuidado como prioridade. Mesmo que seja através de uma irritante vibração.

Escolher uma app de self-care não é fácil, não só porque depende dos nossos objetivos mas porque existe uma quantidade absurda delas - e uma frase mais 2019 que esta é quase impossível. Self-care deverá ser das expressões mais utilizadas nos dias de hoje, e se o facto de ser #trending pode torná-la um tanto ou quanto irritante (vá, confessem, não posso estar sozinha neste pensamento), colocar o amor-próprio nas bocas do mundo é das coisas mais bonitas do momento presente. Depois de passarmos décadas soterrados em trabalho e a tentar manter uma agenda demasiado ocupada, a atenção voltou-se para dentro. Regressar às origens já não envolve uma viagem pelo campo ou um bilhete de avião na casa dos 4 dígitos, mas sim algo muito mais próximo e muito mais trabalhoso - auscultar as nossas entranhas, lidar com padrões e traumas geracionais, afastar pensamentos (e pessoas) tóxicos, em suma, cuidar mais de nós. Self-care pode ser um banho de espuma ou uma consulta de psicologia - dependerá das nossas necessidades e do que o nosso corpo 'exigir'. Mas não nos vamos precipitar: se beber a quantidade certa de água por dia às vezes é tão difícil, falar de repetições comportamentais pode estar ainda 'fora da nossa liga'. E desculpem a demora, é aqui que entra a instalação de uma app de self-care no meu telemóvel.

Quase escolhi a Tru Luv, por ser uma app que nos 'permite' ficar na cama o dia todo sem nos sentirmos culpados por isso, mas depois achei que o campo onde preciso de mais ajuda é precisamente fora do vale dos lençóis. No meu telemóvel já habitam algumas aplicações para o meu bem-estar, como a Co-Star e a The Pattern, mas precisava de algo que fosse como um grilo falante ao meu ombro a relembrar-me para me manter como prioridade quando as minhas listas de tarefas parecem não ter espaço nem para respirar. E depois, como por magia, surgiu um post patrocinado no meu Instagram a apresentar-me a Sanity & Self: uma app de self-care feita por mulheres para mulheres. Touché. O slogan foi o suficiente para descarregá-la, mas o que me fez mantê-la a ocupar a pouca memória do meu telemóvel foi o que descobri de seguida.

Com meditações e sessões de respiração, exercícios de visualização e rituais calmantes pré-cama, a Sanity & Self incorpora uma série de formatos de áudio e vídeo com os quais já estamos familiarizados. As sessões são guiadas por experts em diferentes áreas - compreendendo assuntos desde o crescimento pessoal à vida amorosa e exercício - e também existem secções relacionadas com massagens e beleza, o que não é costume neste tipo de aplicações. A app organiza as sessões através das nossas necessidades específicas, como controlar melhor o tempo, dormir mais tranquilamente, sentirmo-nos amadas ou aprendermos a estabelecer limites. Para mim, uma das grandes vantagens desta app é que podemos adaptar as sessões ao tempo que temos disponível, de forma a que o self-care não se torne mais um fardo na nossa agenda. De 2 a 45 minutos, a escolha é nossa. Outra das coisas que achei mais fascinante: esta app tem uma comunidade online. A ideia é criar uma rede onde as mulheres podem ser sinceras entre si e partilhar dúvidas e conselhos.

#Review: testei uma app de self-care e isto foi o que aconteceu

"Queres ser a tua melhor versão ou organizar as tuas coisas?", foi assim de forma directa que fui recebida pela Sanity & Self. Depois de traçarmos rapidamente objetivos juntas, a app sugeriu marcarmos uma hora para nos 'encontrarmos', definida como "me time". A minha primeira sessão foi sobre "give less F*cks" e foi bastante esclarecedora. É possível escolher o tipo de reminder que queremos receber, quer seja para bebermos mais água, que é hora de dormir ou apenas uma mensagem inspiradora. Outra das funcionalidades que mais gostei foi o Journal, algo que já tinha tentado começar algumas vezes offline e nunca tinha conseguido manter. Aqui, a app é uma ajuda para organizar os nossos pensamentos, dando sugestões de temas a explorar e questões muito pertinentes como "Hoje deixo ir aquilo que não consigo controlar, incluindo..." ou "Como é que o stress que sinto agora vai ajudar-me a crescer?".

Ansiedade: as contas do Instagram que me ajudam a respirar fundo
Ansiedade: as contas do Instagram que me ajudam a respirar fundo
Ver artigo

Pode uma app de self-care mudar radicalmente a nossa vida? Tanto quanto outra coisa qualquer. Tem a ver com o nosso nível de empenho em melhorar a nossa estadia neste planeta, mais do que tecnologia. Tem a ver com estabelecermos o nosso bem-estar como prioridade com a mesma urgência com que enviamos aquele email ou fazemos a lista do supermercado. Mais do que ser lifechanging, o que esta app fez por mim foi fazer-me sentir menos sozinha. Ninguém tem tudo na sua vida totalmente perfeito - até porque isso não existe - mas ouvir palavras encorajadoras do outro lado do telemóvel foi reconfortante. De resto, nada é novidade: o exercício faz-nos sentir melhor, a meditação também e exprimir os nossos sentimentos então nem se fala. Organizar o tempo para conseguirmos realizar essas 'tarefas', bem como a mudança de chip no nosso mindset, foi algo em que senti que esta aplicação me deu a mão.

O único senão da Sanity & Self é que estou muito curiosa para testar a versão premium, que é paga - mas se pensar que gasto o mesmo valor mensalmente para assistir a séries porque não aplicá-lo a algo que me faz sentir bem (não que Euphoria não faça, atenção)? Escolher uma app que faça match com a nossa personalidade parece ser mais difícil do que no Tinder, mas as opções são tantas - e tão boas - que tenho a certeza que encontrará a sua alma-gémea do self-care. E já que aqui estamos, já bebeu água hoje?

Na sua rede favorita

Siga a Miranda no Instagram. Partilhe as suas fotos de Beleza com #SomosTodosMiranda