O ser humano é um ser contraditório. Termina o ano repleto de maus hábitos, excessos e festas, ao mesmo tempo que deseja um ano novo cheio de saúde. A verdade é que todos a queremos, desejamos e pedimos.

Para isso recorremos a uma das resoluções mais formuladas do início de cada novo ano, o jurar que o desporto e o exercício físico vão passar a ser uma constante na nossa rotina diária. Muitos de nós optam por começar o ano a correr, afinal, como escrevi no artigo de opinião anterior, é fácil, barato e libertador. O problema é que um mês depois, mais de metade das pessoas desistem.

#BoaForma: corrida, quais as vantagens e os 'a saber' antes de se fazer à estrada
#BoaForma: corrida, quais as vantagens e os 'a saber' antes de se fazer à estrada
Ver artigo

Mas enquanto alguns de nós se encontram na fase de contemplação, a pensar prepararmo-nos para começar a correr meia dúzia de quilómetros por semana, muito estipulam voos mais altos -  e diria, até, que muitas vezes sobrenaturais.

Talvez alguns de vocês desconheçam, mas há por esse mundo fora corridas que colocam à prova os limites humanos, ao ponto de serem rotuladas como as mais difíceis do planeta.

Distâncias inacreditáveis, temperaturas extremas que maltratam o corpo, altitudes que colocam o coração na boca. Simplesmente ingredientes que levam os atletas ao limite.

São desafios que não estão ao alcance de qualquer um, e onde o poder da mente é quem realiza metade do trabalho. São autênticas provas de superação.

Marathon des Sables

A MDS é uma ultra-maratona de 7 dias, sim, leu bem!, 7 dias. Aproximadamente 240 quilómetros pelas areias do deserto do Saara. Além da distância, o calor extremo, as dunas de areia e o facto de os atletas terem de transportam os bens essenciais para o tempo de corrida, aumentam exponencialmente a dificuldade.

Badwater 135

Simples, são 215 quilómetros em pleno Julho que começam no Vale da Morte e terminam em Mount Whitney, com temperaturas médias acima dos 40ºC. Esta corrida é caracterizada ainda pela dificuldade de incluir quase 15.000 pés de subida vertical acumulada.

The Jungle Ultra

Correr 230 quilómetros já é por si só desafiante, agora imagine juntar alguns ingredientes, tais como: florestas tropicais peruanas, temperaturas a rondar os 40ºC, elevada concentração de humidade no ar, 9 mil pés de subida vertical acumulada, e carregar tudo aquilo que lhe permita ser auto-suficiente durante o percurso.

6633 Ultra

Desde a primeira edição da corrida, em 2007, apenas 11 atletas completaram a 6633 Ultra. Começa no Hotel Eagle Plains, no noroeste do Canadá, e tem dois percursos diferentes que cruzam a linha do círculo Ártico. O mais fácil tem 190 quilómetros e o mais difícil 560. Os atletas precisam de transportar através dum trenó os seus mantimentos, pelo meio de ventos fortes e temperaturas abaixo dos 0ºC.

Berghaus Dragon's Race

Esta corrida é uma lenda entre aqueles que adoram fazê-lo em montanha. É, inclusive, considerada a corrida mais difícil do mundo. São 315 quilómetros de extensão das montanhas que cercam o País de Gales, de norte a sul.

Motivado? Quem não lhe diz que se conseguir manter os novos comportamentos de ano novo de forma sustentada não conseguirá um dia elevar a fasquia. Não digo fazer uma das provas aqui mencionadas porque, como salientei, não são para qualquer um, mas por que não uma meia-maratona ou mesmo uma maratona... Irei escrever num dos próximos artigos aquilo que é importante ter consideração, se esse for um dos seus objectivos para 2019. Até breve!

Ricardo Gomes, 31 anos, é Personal Trainer, Formador na Área de Exercício e Saúde e CEO da CHASE Training Academy.

Na sua rede favorita

Siga a Miranda no Instagram. Partilhe as suas fotos de Beleza com #SomosTodosMiranda