Há marcas cujo trabalho de campo na defesa dos animais contra os testes em cosmética tem sido de tal forma incansável que as associamos de imediato à causa, como a Lush, a The Body Shop ou a Kat Von D.

E depois há outras marcas que trilharam o seu caminho e que mudaram as suas políticas - pelo menos de forma oficial, com a certificação adequada -, podendo hoje caracterizar-se como cruelty-free.

Estas são as mais recentes a juntar-se à lista.

Primark

Foi em Julho que a gigante irlandesa anunciou que o seu departamento de Beleza, a Primark Beauty, tinha conseguido finalmente a certificação. Isto significa que hoje a Primark PS - que inclui maquilhagem, skincare e produtos capilares - já inclui o logo Leaping Bunny, que indica que os cosméticos são produzidos sem crueldade animal.

Beleza Eco. Qual a diferença entre natural, orgânico ou cruelty-free?
Beleza Eco. Qual a diferença entre natural, orgânico ou cruelty-free?
Ver artigo

Natura

A marca brasileira Natura, conquistou no último mês também o selo Leaping Bunny, pela organização Cruelty Free International. Segundo a marca, já não eram feitos testes "dessa natureza" desde 2006, mas só agora terá chegado o "reconhecimento" do compromisso.

Childs Farm

Até pode nunca ter ouvido falar da marca, mas é uma das maiores etiquetas britânicas (mais especificamente de Hampshire) no mercado de cuidados de pele para bebés e crianças - em Portugal compra-se através do site British Corner Shop. A Childs Farm usa igredientes de origem natural e óleos essenciais e recebeu em julho o selo Leaping Bunny para toda a gama de linha de cuidados pessoais.

Na sua rede favorita

Siga a Miranda no Instagram. Partilhe as suas fotos de Beleza com #SomosTodosMiranda