Mestre em Ciências Farmacêuticas e com três pós-graduações em Cosmetologia Avançada, pela Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, Sara Fernandes não chegou agora ao mundo do skincare. Há quase 11 anos, criou o Make Down, que começou por ser um blog e que agora conta com uma página de Instagram que tem mais de 10 mil seguidores, e ainda um canal de Youtube. Estivemos à conversa com Sara Fernandes (a segunda vez, a primeira pode ler ali, mais abaixo, à esquerda), que nos contou como se apaixonou pela dermocosmética.

Começando pelo início: como surgiu o Make Down?

A ideia surgiu-me há quase 11 anos, enquanto tirava o curso. Cada vez mais percebia que gostava mais da área de dermocosmética do que de áreas terapêuticas. Já consumia muitos blogs e conteúdo online do género, mas havia muito pouca gente ainda a escrever em português de Portugal sobre o assunto. E assim começou o Make Down, como um blog no Blogspot.

Sente que as pessoas depositam em si mais confiança devido à sua formação?

Sinto que sim. Saber que sou profissional de saúde ajuda a criar confiança no que sei e na minha experiência.

Com a formação em Ciências Farmacêuticas e Cosmetologia, muitos pensam ser esta a chave para a Sara perceber os produtos, ingredientes e formulações, assim como perceber a pele. É verdade?

A minha formação deu-me algumas bases, especialmente no que toca à pesquisa científica e bibliográfica. Mas não foi na Faculdade que aprendi muito do que sei hoje. Foi, sim, nos quase 11 anos de interesse e pesquisa pela área, de uma forma individual. Também trabalhei quase três anos na indústria cosmética e tive a oportunidade, ao longo da carreira, de conhecer e até amigar pessoas que me ensinaram muita coisa também sobre os meandros desta indústria em todas as suas vertentes.

Há muito trabalho de bastidores que não passa pelo Make Down. A Sara também cria rotinas de pele especializadas e personalizadas, certo?

Esfoliação química ou física? As diferenças explicadas por uma especialista
Esfoliação química ou física? As diferenças explicadas por uma especialista
Ver artigo

Este foi um serviço que criei, porque tinha muita, mas mesmo muita gente a pedir-me para as ajudar com rotinas, o que é sempre difícil e incompleto de fazer em avulso. Além disso, é muitas vezes necessário um acompanhamento e um esclarecimento de dúvidas mais pessoal.

O meu modelo é o de videochamada, em que a pessoa conversa sobre a sua pele e o que sente, bem como da sua vida e rotinas. Para assim perceber o que veria a encaixar-se no seu estilo de vida. Esta parte é crucial porque nenhuma rotina de pele faz sentido se não for adaptada à vida da pessoa. Seguidamente, envio um plano completo, com sugestão de rotina e múltiplas opções de produtos por onde escolher.

Planos para o futuro? "Chegar a mais pessoas e ajudar mais gente a cuidar melhor da sua pele, desmistificando erros e a Ciência da Beleza".

Os rótulos: um assunto para o qual se viraram todos os holofotes do mundo da cosmética. Hoje em dia, todos parecem "guiar-se" (ou querer guiar) por esse fator na escolha de um produto. Qual a opinião da Sara sobre este assunto?

Se, por um lado, acho magnífico, por outro, acho potencialmente perigoso. Acho magnífico porque cada vez mais vejo os consumidores informados. As marcas vêem-se obrigadas a deixar de falar na misteriosa "molécula X", que vem de um local exótico, e passar a falar em coisas que sempre existiram, como a niacinamida e o retinol.

Por outro, existe uma falsa sensação de conhecimento aprofundado (efeito de Dunning-Kruger), de ler um rótulo e conseguir fazer uma profunda análise de tudo o que aquele cosmético tem para oferecer ao consumidor, desde a sua tecnologia à sua textura. É como tentar adivinhar como é um bolo pela lista de ingredientes, sem sequer ter as quantidades. Temos a certeza que não será antes uma panqueca?

A comunidade de "especialistas em skincare" cresce a olhos vistos no mundo online. A consequência deste fenómeno pode resultar em alguma contra-informação ou desinformação?

Como é natural, com o aumento de volume de pessoas a falar sobre o assunto, isso começa a existir, o que não considero necessariamente mau. O que me assusta é ver cada vez mais pessoas a apresentarem as suas opiniões como certezas ou factos, e a apresentarem verdades absolutas que absolutamente não existem.

Qual(is) a(s) grande(s) "asneira(s)" que sente que muitas pessoas continuam a fazer na hora dos cuidados de pele?

Penso que a "asneira" mais moderna é o momento pós-fascínio da descoberta. Quando a pessoa descobre que o ácido glicólico esfolia e dá luminosidade, que o retinol reduz rugas e o ácido salicílico reduz comedões. E depois decide pôr tudo na cara ao mesmo tempo. Não corre bem, habitualmente, passar dos 0 aos 10 mil sem sequer ter as fundações construídas, como a limpeza, a hidratação ou a protecção solar. É como tentar decorar uma casa que ainda é só um baldio. No entanto, isto também faz parte da aprendizagem e descoberta do maravilhoso mundo da cosmética.

Inclua este passo no seu ritual de Beleza!

Subscreva a newsletter da Miranda by SAPO.

Seja a primeira a receber as melhores dicas de Beleza

Ative as notificações da Miranda.

Enquanto o verniz das unhas seca…

Siga a Miranda by SAPO no instagram. Use a #SomosTodosMiranda nas suas publicações.