Lembre-se de que, depois de parar de usar a pílula, o seu corpo pode demorar algum tempo a reequilibrar-se. Para saber mais sobre o funcionamento da pílula e o que pode esperar, leia mais na 1ª parte deste artigo, aqui.

Se decidiu então avançar com a interrupção da pílula e recuperar o seu ciclo menstrual fisiológico, vamos às ferramentas a que pode recorrer para a ajudar a sentir-se novamente bem e regular.

O que precisa saber (parte 2)

Provavelmente sentiu algumas mudanças quando começou a tomar a pílula anticoncecional, como náuseas ou seios sensíveis. Portanto, faz sentido que se possa sentir diferente novamente quando parar de a tomar.

O plano para interromper a pílula sem sintomas

Antes de mergulhar de cabeça, há passos importantes que a podem ajudar.

  1. Plano B de contraceção

Lembre-se que, depois de parar de usar a pílula, precisará de usar outra forma de contraceção para se proteger contra uma gravidez não planeada, e que apenas os anticoncecionais de barreira, como o preservativo, podem protegê-la de infecções sexualmente transmissíveis.

Fale com o seu médico, diga-lhe que vai parar de tomar a pílula e ele(a) irá ajudá-la a encontrar métodos alternativos naturais de contraceção, apoiando-a durante a mudança. Depois de consultar um médico, siga estas seguintes etapas para fazer a transição da pílula sem efeitos colaterais.

  1. Sincronize o seu corpo com o seu estilo de vida

Muitas mulheres não percebem que precisam de estabelecer as bases para a saúde hormonal antes de interromperem as hormonas sintéticas da pílula. A sincronização do ciclo menstrual com melhorias na dieta e algum exercício físico, enquanto ainda está a tomar a pílula, pode tornar essa transição muito mais suave no seu sistema endócrino e aliviar os efeitos colaterais pós-pílula, como acne, insónia, alterações do humor e ciclos irregulares.

Mudar para um estilo de vida mais equilibrado permitirá que o seu corpo comece o processo de desintoxicação e recalibração, preparando-o para um estilo de vida sem pílulas.

  1. Comece a monitorizar o seu ciclo menstrual

Se os seus períodos voltarem rapidamente e se tornarem regulares, ótimo! Caso contrário, é provável que haja um problema de saúde subjacente, que recomendo que trate naturalmente com as mudanças de alimentos. Em muitas mulheres, a menstruação leva meses para aparecer e, mesmo assim, pode até ser esporádica. Acompanhar o seu ciclo antes de parar de tomar a pílula pode ajudá-la a ter uma percepção da regularidade dos seus ciclos antes e pós-pílula.

Pode acompanhar o seu ciclo com várias 'apps' gratuitamente disponíveis.

Se sua menstruação ainda não voltou ao fim de seis meses, investigue com o seu médico as possíveis causas subjacentes. Vai querer descartar resistência à insulina, SOP (síndrome do ovário poliquístico), problemas de tiróide, deficiência de vitamina D (bem como outras deficiências micronutricionais) ou outros desequilíbrios hormonais.

  1. Equilibre o açúcar no sangue

As pesquisas relacionam o uso de anticoncecionais orais com desequilíbrios do açúcar no sangue e com a resistência à insulina, dois fatores que causam ainda mais estragos no equilíbrio hormonal, ao mesmo tempo em que estabelecem o cenário para uma variedade de outras condições que reduzem a qualidade de vida.

#DoutoraFeliz: acne depois de parar a pílula? Como ela pode afetar a pele
#DoutoraFeliz: acne depois de parar a pílula? Como ela pode afetar a pele
Ver artigo

Para manter o nível de açúcar no sangue estável, coma alimentos integrais e reais (evite todo o tipo de processados!). Não pule refeições e certifique-se de que cada refeição inclui alguma proteína de alta qualidade, gordura saudável e vegetais ricos em nutrientes.

Mantenha o açúcar e a farinha branca no mínimo e evite o álcool, que só por si pode criar um desequilíbrio hormonal — especialmente nos níveis de estrogénios. Exercícios moderados regulares também ajudam a manter o açúcar no sangue estável e equilibrado (mas o excesso de exercícios pode ter o efeito oposto, desencadeando inflamação e piorando os desequilíbrios de açúcar no sangue).

  1. Considere abandonar os laticínios enquanto reequilibra as suas hormonas

Os laticínios tendem a estar repletos de hormonas e toxinas ambientais, que podem atuar como desreguladores endócrinos, o que não favorece o nosso equilíbrio hormonal interno. Muitas mulheres sentem que retirá-los da dieta, mesmo que apenas por seis a 12 meses, faz toda a diferença.

Se quiser continuar a incluir laticínios na sua dieta, certifique-se de que sejam orgânicos e de preferência de leite de cabra ou ovelha, para minimizar a exposição a toxinas e maximizar a nutrição e o equilíbrio das boas gorduras.

  1. Restabeleça um intestino saudável

A pílula destrói o ecossistema microbiano interno do seu intestino. Quanto mais tempo a tomar, pior é o impacto no seu corpo. Quando está a tomar a pílula, comer alimentos bons, limpos e saudáveis ​​é a melhor maneira de iniciar o processo de cura, mas para acelerar o reequilíbrio intestinal, precisará de um potente probiótico para repor o equilíbrio das bactérias intestinais boas. Um bom probiótico pode ajudar a equilibrar a flora, melhorar o humor, melhorar a função digestiva e a absorção de nutrientes, reduzindo as probabilidades de infecções por fungos e vaginose bacteriana.

  1. Identifique e corrija as deficiências de nutrientes

As hormonas sintéticas esgotam o corpo de vitaminas e minerais, especialmente vitaminas B, C e E, e os minerais magnésio, selénio e zinco. Se está a pensar em parar de tomar a pílula, considere tomar já suplementos de boa qualidade para tornar a transição mais fácil.

  1. Suplemente as suas hormonas

A vitamina B6 é essencial para a produção de progesterona. Inclua na sua dieta alimentos integrais ricos em B6, como a banana, espinafre, batata doce, alho, frango, carne bovina criada ao ar livre e salmão. Os suplementos também são fundamentais aqui, como um bom complexo B, que possa fornecer a maioria das vitaminas B nas suas formas coenzimadas.

Incorporar muitas gorduras e aminoácidos de boa qualidade na sua dieta também é essencial — eles são os precursores das suas hormonas. Reforce a proteína animal, coma peixes e aves orgânicas, bem como ovos alimentados a pasto livre, azeite e abacate.

É particularmente importante obter gorduras ómega-3 de alta qualidade, em quantidade suficiente, pelo que a suplementação costuma ser necessária com uma boa fórmula de ómega-3 para apoiar a produção de hormonas e uma ovulação saudável.

  1. Faça uma desintoxicação de estrogénio

Depois de parar de tomar a pílula, muitas mulheres sofrem de um desequilíbrio chamado dominância de estrogénios, que é a causa mais comum de todas as disfunções hormonais. As folhas verdes são uma ótima maneira de combater esse problema. Coma couve, acelga, espinafre, alface, repolho, brócolos, couve-flor e muito mais (tente comer vegetais verde-escuros e / ou crucíferos em todas as refeições, se puder!).

Para acelerar a desintoxicação de estrogénio, complemente com uma fórmula detox que ofereça suporte ao fígado para a função geral de desintoxicação saudável do excesso de estrogénio, que é essencial para recuperar a saúde hormonal.

#DoutoraFeliz: ovários poliquísticos – o que muitas mulheres precisam de saber
#DoutoraFeliz: ovários poliquísticos – o que muitas mulheres precisam de saber
Ver artigo

Esta é uma maneira elegante de dizer "mande um pouco de amor ao seu fígado!" O fígado encarrega-se de processar e “embalar” as hormonas usadas ​​para que possam ser eliminadas do corpo. Mas a maioria de nós está a sofrer uma combinação de sobrecarga de toxinas ambientais, e ingestão insuficiente de nutrientes, de que o nosso corpo precisa para manter as funções de desintoxicação do fígado na sua melhor forma.

Ervas e suplementos que apoiam a desintoxicação hormonal e melhoram a capacidade do fígado de quebrar e eliminar o excesso de estrogénios são a curcumina, a schisandra, DIM, I3C, cálcio-d-glucarato, extrato de chá verde e NAC.

Restaurar o equilíbrio hormonal e os ciclos naturais depois de parar de tomar a pílula

Embora, estatisticamente, não haja correlação comprovada entre a interrupção da pílula e a falta do regresso da menstruação das mulheres, e os artigos de revistas médicas descartarem esse fenómeno por completo, muitas mulheres relatam desequilíbrios hormonais após interromperem a pílula.

Amenorréia pós-pílula — não menstruar ou ter períodos tão irregulares que não consegue determinar quando está fértil — é um dos sintomas mais comuns que as minhas pacientes relatam. Normalmente, o seu ciclo pode estabilizar dentro de seis meses a um ano, e isso não causa infertilidade, mas pode causar problemas de fertilidade por um período de tempo.

Se o motivo pelo qual começou a tomar a pílula foi para ajudar a controlar os sintomas hormonais ou menstruais, saiba que, na melhor das hipóteses, a pílula pode ser considerada apenas um supressor de sintomas, não resolvendo a causa-raiz do problema.

Felizmente, a decisão de interromper a pílula poderá ser um dos melhores momentos para ajudá-la a descodificar os seus sintomas de uma perspetiva diferente. Procurando um médico funcional que a ajude a reequilibrar todos os sistemas do seu corpo, desenhando um plano personalizado de suplementação e um programa de estilo de vida, poderá ajudá-la a finalmente colocar os seus sintomas em remissão e reequilibrar o seu ciclo feminino. Já sabe agora os próximos passos?

Dra Andreia de Almeida é médica certificada em Medicina Funcional e Medicina Anti-Aging, com treino especializado em Modulação Hormonal e suplementação avançada. Conhecida pela sua abordagem empoderadora e focada na pessoa, através da sua prática clínica procura inspirar as pessoas a encontrarem o equilíbrio, bem-estar e felicidade interior. É a autora de Saúde para ELAS: o kit de sobrevivência para mulheres dos 20 aos 60+”, um livro dedicado à saúde feminina.

Inclua este passo no seu ritual de Beleza!

Subscreva a newsletter da Miranda by SAPO.

Seja a primeira a receber as melhores dicas de Beleza

Ative as notificações da Miranda.

Enquanto o verniz das unhas seca…

Siga a Miranda by SAPO no instagram. Use a #SomosTodosMiranda nas suas publicações.