É como me sinto logo depois de uma sessão de yoga na sala, depois de umas braçadas na piscina ao lado de casa e depois de um treino militar no verdejante parque da cidade do Porto, em verdadeira comunhão com a natureza, com vista para um lago estupendo onde os gansos e os cisnes passeiam amigavelmente.
Nada que condiga com a sensação interior vivida nesse momento, de exaustão dos músculos, é certo, de estar a experimentar o limite máximo da capacidade física. Mas um luxo.

Tal como já aqui escrevi, foi quando descobri o yoga que me permiti assumir que afinal gosto de actividade física.

Antes disso, já tinha descoberto que a vida de ginásio, correr no mesmo sítio, interagir com várias máquinas, não era para mim. É um tipo de actividade que me faz sentir preso e escravo da minha aparência.
Aqui o factor saúde e bem-estar, que pode ser uma motivação forte, torna-se um detalhe insignificante. Como é que uma máquina que está focada num só músculo pode querer conduzir ao bem maior da saúde? Quando entro num ginásio é como se todo o parque de máquinas fosse uma representação anatómica de um David de Michelangelo, onde cada uma representa um grupo muscular a ser devidamente manipulado - na mesma proporção que os outros - para o fabrico de um produto final que será o tal corpo de David.

O poder da dança

Prefiro a liberdade de me entregar a um exercício que me desafia e estimula, e no final ainda me premeia com um corpo que gosto de ver ao espelho e que me orgulha de mostrar. Já me contento em ter o tipo de corpo do Jared Leto, magro e atlético.

Talvez a dança seja o exemplo mais puro deste tipo de exercício. Desde criança que danço.

Nunca tive pretensões sérias à excelência técnica e acho que se tivesse feito aulas provavelmente não teria o mesmo prazer que sinto quando vou sair à noite e mexo o esqueleto ao som de todas aquelas músicas que costumam dar na rádio e não tenho a oportunidade de “extravasar” no momento. É uma verdadeira catarse, algo mesmo viciante.

Acontece sempre estar exausto, de pernas doridas e joelhos gastos e a batida é tão boa que não apetece parar. Quem me conhece e já saiu comigo sabe do que estou a falar.

Além disso, sendo eu um criativo visual, as músicas, para mim, também estão associadas aos respectivos videoclips e a pista de dança é o lugar certo para os recriar. Isto é a verdadeira acepção da expressão “quem corre por gosto não cansa”. Quererei melhor actividade aeróbica? Para libertar toxinas do corpo e queimar gorduras é um óptimo medicamento!

Regressando ao yoga, posso dizer que esta metodologia ancestral foi a base essencial para todos os outros desportos que pratiquei posteriormente. O conhecimento de mim, dos meus limites, do meu corpo, da minha respiração e dos meus músculos deram-me ferramentas para me aventurar na corrida, na escalada e agora no Boot Camp aka treino militar.

A maior aventura talvez até tenha sido aprender a andar de bicicleta sozinho, com 30 anos.

Foi uma grande conquista, quase uma experiência esotérica, tendo limpo os fantasmas da frustração de pertencer ao 1% da humanidade que não sabe andar de bicicleta. Serviu para comprovar a capacidade extraordinária de equilíbrio que o yoga me meu.

Se é para mexer o corpo, então que seja num tipo de movimento natural, sem ser agressivo e com baixo risco de lesões.
Há uns anos, quando dava aulas de yoga num ginásio, aproveitei o facto de este também ter piscina para retomar a natação que tinha parado praticamente na mesma altura em que a comecei, com 13 anos. Este regresso foi refrescante e, além disso perdi a camada adiposa que tinha teimado em se fixar na cintura.

#ÁguapelaBarba: Na cama com... um vegetariano!
#ÁguapelaBarba: Na cama com... um vegetariano!
Ver artigo

Entusiasmado por descobrir que a actividade aeróbica tinha este benefício, decidi enveredar pela corrida, já que o ritual da dança tem estado guardado para situações ocasionais. Voltei a ter um abdómen digno, conquistei os 10 Km, mas com alguma pena tive de parar (ganhei dores fortíssimas atrás do joelho), com a esperança de um dia regressar curado.

Tal ainda não aconteceu, pois que a ciência ainda não diagnosticou a maleita de que padeço. Mas até lá posso correr distâncias mais curtas, que é o que tenho feito nos treinos de Boot Camp. Agrada-me pensar que gosto de praticar o mesmo tipo de exercício que praticava o homem nos princípios da humanidade: correr, andar, nadar, escalar.
O Boot Camp está aqui um pouco fora de contexto, admito, mas no meio de tanto exercício da paz, um pouco de agressividade bélica não faz mal a ninguém, pois não?

Sinto pena por ter interrompido a escalada. De todos, fora o yoga, foi dos exercícios mais completos que experimentei.

A escalada levou-me de volta aos tempos de criança, quando subia árvores e rochas. Mais uma vez, dou comigo a fazer aquele tipo de exercício que é puro recreio. E tal como uma criança obsessiva, dei por mim a repetir o mesmo circuito variadíssimas vezes até conseguir realizá-lo e poder passar ao nível seguinte.

Como o meu corpo mudou

O maior prémio que tive foi ver o meu corpo a crescer, já que a intensidade do esforço a que os músculos são sujeitos é muito grande. Praticamente, desafiando a força da gravidade, estou sempre a agarrar um “saco” de 58 Kg. Sim, eu tenho 58kg e meço 1,73m.
Para quem sempre foi do género magro-que-come-de-tudo-para-ganhar-peso-e-fica-na-mesma finalmente encontrei na escalada uma fórmula eficaz para me aproximar do tipo de corpo que nunca consegui ter ,sem dietas ou o desgaste emocional de ter de cumprir um plano de treino.

Enquanto pratiquei escalada, fui quase todos os dias, até que parei e, com tanto a fazer no trabalho, emagreci e perdi o que me custou a ganhar. Só recentemente me propus regressar a um tipo de actividade mais intensa, que me fizesse ganhar mais massa muscular e, por isso, olá Boot Camp!

Vou no terceiro mês de treinos, os resultados têm sido visíveis, só o David de Michelangelo é que ainda vai levar tempo a sair cá para fora… Ou então tenho mesmo é de aceitar que magro e atlético como o Jared Leto também é um tipo de corpo aceitável. Ou não?

Bruno Reis, colaborador da Miranda, é o fundador e director criativo da Teeorema, marca de luxo de t-shirts.

Inclua este passo no seu ritual de Beleza!

Subscreva a newsletter da Miranda by SAPO.

Seja a primeira a receber as melhores dicas de Beleza

Ative as notificações da Miranda.

Enquanto o verniz das unhas seca…

Siga a Miranda by SAPO no instagram. Use a #SomosTodosMiranda nas suas publicações.