Já aqui abordámos o High Intensity Interval Training (HIIT), ou treino intervalado de alta intensidade, pelas suas valias em casos de obesidade. Com efeito, este tipo de treino tem vindo a reunir ao longo dos últimos anos muitos adeptos no mundo do fitness, sobretudo junto daqueles que querem perder peso.

Este método começou gradualmente a ocupar o espaço conquistado pelo treino aeróbio no que diz respeito à estratégia mais eficaz para alcançar aquela, a tão desejada (!), redução do peso corporal. Mas será isto um mito ou um facto incontestável?

Perceber o que é o HIIT

O HIIT é um método de treino que combina períodos de exercícios realizados a uma intensidade mais elevada, ou a alta intensidade, com períodos de intensidade mais leve ou de recuperação. Podem ser usados diferentes tipo de exercício, ou diferentes materiais de treino, não havendo propriamente um treino padrão. O importante aqui é a frequência cardíaca e a intensidade.

Mas, calma, não precisa de se assustar com as palavras alta intensidade e começar já a dizer que não é para si, ou que não consegue porque não faz exercício há anos! Este tipo de treino, e a intensidade, é adequada ao que será a performance de cada um, o que permite que pessoas iniciadas, intermédias ou avançadas possam usufruir deste método. Resumidamente, cada um segue o seu ritmo mas, isso sim, é fundamental existir intensidade.

Perceber os seus benefícios

Uma das grandes vantagens deste tipo de treino é aumentar o EPOC (Excess post-exercise oxygen consumption) ou seja, o excesso de consumo de oxigênio pós-exercício. Este efeito fisiológico irá promover um gasto acrescido de energia após o treino por parte do metabolismo, contribuindo assim para um maior gasto energético diário.

Associado a este efeito fisiológico, poderemos ainda referir que este método aumenta a lipólise. E agora, perguntam vocês, o que significa isto! Mais importante do que a explicação é o resultado: a diminuição da percentagem de massa gorda. Isto porque a lipólise consiste no processo de obtenção de energia a partir dos triglicéridos por meio de oxidação dos ácidos gordos.

As vantagens deste tipo de treino não são meramente estéticas, contribuem também em boa medida para a melhoria da performance. Mediante os exercícios e os equipamentos utilizados poderei dar mais ou menos ênfase ao desenvolvimento de diferentes qualidades físicas, mas a melhoria da capacidade cardiovascular é inegável, aumentando o VO2 máximo de forma mais rápida quando, comparativamente, com os exercícios aeróbios de baixa intensidade.

Esta é uma estratégia de treino bastante versátil, podendo ser efectuada em qualquer lugar, com qualquer material de treino ou simplesmente com o peso corporal. É caracterizado por ser um método de treino bastante rápido o que para muitos de vocês poderá ser uma excelente notícia, visto que sofrem do síndrome de falta de tempo :)

#BoaForma: sabe o que é o efeito Yo-Yo?
#BoaForma: sabe o que é o efeito Yo-Yo?
Ver artigo

Só para vos dar um exemplo, e com base em evidências científicas, uma sessão de HIIT de 27 minutos, numa frequência semanal de 3 vezes por semana (81 minutos) promoveu os meus benefícios anaeróbios e aeróbios quando comparados com 60 minutos de treino aérobio praticado 5 vezes por semana (300 minutos). Mais resultados em menos tempo!  Sem dúvida, mas aqui vai um alerta: o HIIT funciona e tem resultados comprovados mas além de ser importante o apoio de um profissional de Exercício e Saúde para ajudar na devida orientação é preciso força de vontade e espírito de sacrifício.

Ricardo Gomes, 31 anos, é Personal Trainer, Formador na Área de Exercício e Saúde e CEO da CHASE Training Academy.

Na sua rede favorita

Siga a Miranda no Instagram. Partilhe as suas fotos de Beleza com #SomosTodosMiranda